2° edição DW! Go

640-capa.jpg

A semana mais esperada do ano está chegando, o DW! Design Weekend. Criado para ser um festival que fomenta a cultura do design e suas conexões com arquitetura, arte, decoração, urbanismo, inclusão social, negócios e inovação tecnológica. Sempre à frente, fizemos uma curadoria das ações mais disputadas do calendário, que deram vida a 2° edição do DW! Go.

Baixe aqui o nosso guia exclusivo!

Minimalismo é tendência para a vida

Apartamento feito pelo arquiteto Nildo José, em São Paulo. Foto: Evelyn Müller

Apartamento feito pelo arquiteto Nildo José, em São Paulo. Foto: Evelyn Müller

Em um momento de muita informação, constante estímulo e ritmo acelerado, o minimalismo se torna tendência no design, na decoração, na arquitetura e no próprio lifestyle, conquistando cada dia mais adeptos em busca de uma vida mais leve e não tão apegada aos bens materiais. A referência, ligada ao conceito de slow fashion e de consumo consciente, tem como principal característica priorizar apenas o que é essencial e eliminar os excessos, tanto nas cores como na mobília e nas roupas.

Adepto dessa tendência, o arquiteto Nildo José enaltece que repensar o uso dos elementos naturais e o consumo desenfreado se tornou fundamental para a nossa sobrevivência. “Vejo no minimalismo muito mais do que uma corrente arquitetônica, vejo como um lifestyle”, completa.

O estilo minimalista surgiu a partir de uma série de movimentos artísticos e culturais logo no início do século XX, mas teve ascensão apenas nos anos 1980. A decoração minimalista teve grande influência da cultura japonesa que propõe um estilo de vida baseado na simplicidade, com design que privilegia linhas e formas limpas, simétricas e geométricas. O movimento prega que temos de ter ambientes amplos, neutros em que a funcionalidade seja prioridade para a escolha da decoração.

Mesmo em um ambiente minimalista, o conforto não deve ser deixado de lado. Utilizar texturas seja por meio dos tapetes, do uso da madeira ou tecidos especiais criam, quando em harmonia, uma atmosfera equilibrada e leve, sem precisar dos excessos. “Acredito que a palavra da vez no minimalismo não é utilizar o ‘mínimo’ - como podemos entender - e sim, a palavra equilíbrio, por meio do uso balanceado de materiais, objetos e mobiliários”, finaliza o arquiteto.

Cadeira Zina, assinada por Zanini de Zanine para a  Novo Ambiente .

Cadeira Zina, assinada por Zanini de Zanine para a Novo Ambiente.

10 dicas para decorar paredes

Coleção Pixel da  Bontempo  é composta por nichos que podem ter as frentes trocadas por “tampas’ de madeira, pedras e diversas cores

Coleção Pixel da Bontempo é composta por nichos que podem ter as frentes trocadas por “tampas’ de madeira, pedras e diversas cores

Uma parede vazia é como uma tela em branco. São inúmeras possibilidades de cores, revestimentos, obras de arte, objetos e luminárias que podem ser utilizados para decorar um ambiente e transmitir um estilo.

Mas, o que deve ser levado em conta na hora de pensar a decoração de uma parede? Para a arquiteta Guta Louro, não há um certo ou errado, pois o que funciona em um espaço não funciona em outro. “É importante entender o que é esperado ou necessário no ambiente, saber qual a atmosfera desejada”, alerta. Confira algumas dicas da arquiteta para não errar.

1. Definir uma paleta de cores ou um estilo e tentar permanecer fiel a um conceito é sempre uma boa ideia!

2. O teto também é uma parede! Lembre-se dele e trate-o como tal, pois assim o ambiente pode ganhar um novo caráter e ar completamente diferente.

3. Aposte em cores, texturas e revestimentos para dar mais vida a um ambiente neutro. Eles tem o poder de dar movimento, alongar, ampliar e reduzir a perspectiva dos espaços.

4. Paredes não precisam ser planas, podem conter mais de uma cor, assim como podem ser vitrine para obras de arte, prateleiras e, até mesmo, serem tratadas como a tela de um artista.

5. Revestimentos com texturas, formatos, espessuras e materiais diferentes são uma boa alternativa para ‘enfeitar’. Porém, escolha com cuidado. As pessoas adoram tocar em texturas diferentes e algumas podem sujar com o tempo.

6. Pense bem antes de fazer um furo em uma parede com um revestimento mais ‘permanente’, pois dependendo do material utilizado, qualquer modificação pode ser inalterável.

7. Combinar revestimentos com outros elementos é sempre divertido. Se um revestimento predomina o ambiente, vale deixá-lo em evidência com poucos acessórios. Outra opção é trata-lo como um pano de fundo para uma obra de arte ou espelho imponente.

8. Obras de arte não precisam combinar com a decoração, apesar de ser favorável ter tons ou estilo que conversem com espaço. Em muitos casos, a obra pode servir como inspiração para a paleta de cores ou estilo.

9. Luminárias devem ser escolhidas de acordo com seu propósito. Se for passagem, evite luminárias com braços; se for para leitura, movimentá-la pode ser interessante; se for banheiro ou cozinha, cuidado com as sombras; se for apenas decorativa, pense na luz desejada. Sempre verifique se a parede está regular, pois a luz evidencia as imperfeições não percebidas apenas com a luz ambiente.

10. Antes de prender qualquer item, verifique se existem canos que possam estar na linha do prego! Fora isso, não existem regras. A beleza das paredes é que elas podem ser facilmente pintadas e os furos fechados.

Slide1.JPG

1. Tapeçaria da obra Religião Brasileira de Tarsila do Amaral, na By Kamy

2. Azulejo artístico Vibra Hexa Amarelo, da Eliane Revestimentos

3. Granito exótico Amazon, da Guidoni

4. Prato decorativo Leonora Ramos, da mmartan

5. Prato decorativo Leonora Blossom, da mmartan

6. Mancebo Jasmim, assinado por Lattoog para a DonaFlor Mobília

7. Revestimentos Coleção Six, da Santa Luzia

Slide1.JPG

1. Vidro wGlass Design, da Weiku

2. Espelho Pêndulo Coleção Para Ser Feliz, design por Leo Romano, na Novo Ambiente

3. Luminária de parede Lucellino, do designer Ingo Maurer, na FAS Iluminação

Design orgânico e formas circulares: conheça a nova tendência

Formatos arredondados acrescentam movimentos naturais e fluidez ao décor

"Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro no curso sinuoso dos nossos rios, nas nuvens do céu, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein", assim já dizia o renomado arquiteto Oscar Niemeyer, um expoente do design orgânico.

Cada vez mais presentes, objetos decorativos sem pontas nem arestas tomam conta do décor. A tendência ganha título de design orgânico por remeter visualmente as formas arredondadas da natureza. É uma proposta diferente, que está invadindo a arquitetura contemporânea e a decoração de interiores, criando um estilo moderno, elegante e inovador.

As formas orgânicas estão presentes em fachadas de edifícios, espaços corporativos e casas. O estilo representa a procura pelo natural e o afastamento de ambientes urbanos mais rígidos, e o resultado é um espaço suave e orgânico que proporciona um clima agradável e seguro.

Pensando nisso, confira a nossa seleção de produtos para incluir as formas circulares em sua decoração:

Design sem nome.jpg

1. Tapete Nylon Inspiration Pirulito da By Kamy

2. Puff Silo assinado por Marcel Wanders para Natuzzi

3. Coleção 85g – Atelier Bam para Bertolucci

4. Poltrona Virtus, de Emerson Borges, para a Saccaro

5. Poltrona Quark, da F. Way

6. Herbário Puã, assinado por Daniela Ferro para a DonaFlor Mobília

7. Luminária Eclipse, assinada por Ingo Maure, na FAS Iluminação

Design sem nome (1).jpg

1. Puxador Paio da Bontempo

2. Luminária Eclipse, assinada por Mauricio Klabin para Futon Company

3. Cadeira So Happy, assinado por Marco Maran para a Maxdesign

4. Poltrona Woma, da Sittz

5. Mesa de centro Partidas, design por Estúdio Rain disponível na Novo Ambiente

6. Mesa Lateral Lebron, assinada por Ronald Sasson para a Tecline

7. Abajur Suber, por Oficina Bertolucci

Semana do design de Milão 2019

feed-01.jpg

Foi dada a largada ao principal evento de design do mundo, o Salone del Mobile.Milano, que reúne o que há de mais importante no setor e recebe cerca de 300.000 profissionais todos os anos. Para não perder nada do Isaloni e Fuorisalone, a Denise Delalamo Comunicação preparou um guia completo, com informações de exposições e eventos, além de dicas de restaurantes e outras informações importantes para os visitantes.

Baixe aqui o nosso guia exclusivo!

4 tendências que marcaram 2018

teste.jpg

A WGSN — empresa especializada em detectar as principais tendências na moda e no mercado criativo —, lança todos os anos as apostas resultantes de suas pesquisas mundo afora. Conheça, a seguir, os quatro temas que permearam 2018 e ainda podem se perpeturar nos próximos anos

wgsn-tendências-2018-vida-terrena-.jpeg

Vida terrena

Vida Terrena

Estamos cada vez mais presos a uma tela, seja ela do celular, do computador ou da televisão, e dependentes da tecnologia. Para reverter essa situação, há uma crescente busca pelo contato com a natureza. Um estudo recente mostra que 67% das pessoas com menos de 25 anos no Reino Unido não sabem ler um mapa. As pessoas querem ser autossuficientes, e começam a investir em cursos de costura, marcenaria e até mesmo sobrevivência na selva. A ciência também passa a assumir uma posição cool e ganha um grande número de admiradores especialmente entra a chamada geração Z.

Começamos a repensar nosso consumo e a valorizar produtos chamados “do cultivo à mesa”, expressão que começa a se apresentar também como “da fazenda ao provador” à medida que as peças do vestuário se utilizam de materiais caseiros e de fontes locais. Outros produtos de consumo, como tratamentos cosméticos para a pele e cuidados com a casa, também se voltarão cada vez mais para os materiais naturais. É um movimento de resgate da essência.

wgsn-tendências-2018-infusão2-.jpg

Infusão

O homem controla a máquina ou a máquina controla o homem? Essa pergunta tem se tornado cada vez mais difícil de responder e, com isso, o movimento de humanização da tecnologia tem se destacado. O objetivo é transformar essa conexão em algo totalmente positivo. A aposta são as redes sociais de “chat ao vivo”, como a YouNow, em que você pode transmitir vídeos e possibilitar a comunicação entre pessoas que te assistem. Outro fenômeno dessa tendência é o uso da tecnologia na saúde. Criado em Dubai, Fitzania usa as características de um jogo para fazer um verdadeiro check-up. Ao finalizar ações que envolvem agilidade e concentração, o jogador recebe um relatório sobre como está sua saúde. “Veremos tecidos inteligentes, utilização de DNA para criação de produtos e serviços personalizados e materiais”, completa Letícia Abraham, VP Latam da WGSN.

wgsn-tendências-2018-design-substancial.jpeg

Design substancial

O ‘menos’ se tornará menos ainda, e significará muito mais. Os consumidores valorizam, cada vez mais, produtos com características sustentáveis e nasce um movimento contra esse posicionamento apenas como estratégia de marketing. Produtos de vida curta dão lugar à produtos que tenham longevidade e um design funcional. O dinheiro usado para pagar por esses produtos também se tornará mais imaterial, com o crescimento das moedas criptográficas que funcionam como alternativa ao dinheiro. Atualmente, existem mais de 669 moedas virtuais disponíveis para comércio nos mercados online, a mais conhecida é a bitcoin. Por que agora? Para Letícia Abraham, a resposta é simples: “falta de confiança nas instituições econômicas e o aumento das viagens e da conectividade global. Num mundo de cartões magnéticos e similares, o dinheiro físico parece algo ultrapassado”, explica.

wgsn-tendências-2018-noturno.jpg

Noturno

Esta tendência reúne comportamentos que buscam um equilíbrio estratégico entre o otimismo exagerado e o pessimismo saudável. O contato com nossos sentimentos “negativos” (como o pessimismo, a vulnerabilidade e, até mesmo, a tristeza) é incentivado para que possa levar à superação dos medos. Um dos frutos desse pensamento é o crescente número de pessoas que escolhem viajar sozinhos e que trocam viagens curtas por longos períodos de contemplação em lugares onde o tempo parece que não passa, como Finlândia, Alaska, Norte do Canadá e Noruega.

Moda e arquitetura se encontram no desfile da Saint Laurent

Resgate aos anos 80, passarela d’água e looks ousados marcaram o desfile da marca icônica, que se apresentou em Paris, com a Torre Eiffel de cenário

1.jpg

Uma abriga, a outra veste. Mas moda e arquitetura vão muito além destes papéis elementares: através de seus traços, elas contam histórias, reverberam novos costumes, traduzem o abstrato individual para a apreciação coletiva, faz-nos sentirmos seres únicos, pertencentes, em evolução e são o arauto de um tempo para o outro. Na semana de moda de Paris deste ano, a Saint Laurent, que tem Anthony Vaccarello como diretor criativo, se valeu deste casamento entre as duas artes para apresentar, no último dia 25, as suas apostas para a primavera/verão 2019, em frente a um dos ícones-mor da arquitetura mundial, a Torre Eiffel. Entre o monumento e o desfile, a mágica: um show à parte de looks com quês oitentistas apresentados numa passarela d’água de tirar o fôlego. Confira alguns destaques e tendências!

Caftã + Animal print (2).jpg

Caftã + Animal print

Cinto poderoso ajuda a valorizar a cintura (2).jpg

Cinto poderoso ajuda a valorizar a cintura

Jaqueta metalizada, shortinho de cintura alta estilo 80's + tudo boca, tudo olho (2).jpg

Jaqueta metalizada, shortinho de cintura alta estilo 80's + tudo boca, tudo olho

Recortes + look asa-delta para alongar as pernas (2).jpg

Recortes + look asa-delta para alongar as pernas

Ombros supermarcados (2).jpg

Ombros supermarcados